Projetos Instituto Malwee

Programa Nutrir

Em 2022 o Instituto elegeu como causa focal em relação à infância o combate à desnutrição infantil, um tema que vem novamente ganhando relevância, dados os impactos econômicos e sociais da Pandemia do COVID-19. Para atuar nessa causa, o Instituto criou o Programa Nutrir, com o objetivo de executar e apoiar projetos relacionados ao combate à desnutrição e à má nutrição infantil. Para isso, buscamos a parceria de entidades locais, que já vêm desenvolvendo ações e estudos na área e detém o conhecimento técnico científico e o contato com as comunidades locais que serão beneficiadas. O  programa está desenvolvendo projetos piloto em duas cidades: Maceió/AL, beneficiando aproximadamente 200 crianças com suplementação alimentar e em São Paulo/SP, com foco em agricultura, comensalidade e cuidado alimentar, com a intenção de beneficiar diretamente 2 mil pessoas (incluindo crianças e suas famílias).


ODS – Objetivos de desenvolvimento Sustentável

Nutrir Maceió/AL

De acordo com dados divulgados, ainda em 2022, pela PENSSAN, mais de 21% da população do Nordeste brasileiro, está em estado de insegurança alimentar grave, ou seja, convive com a fome. Em Alagoas, 40,7% de crianças menores de 2 anos apresentam deficiência de ferro, também conhecida como anemia ferropriva.

A Nutrir – Associação de Combate à Desnutrição (CREN/AL) (CNPJ 06.018.231/0001-09), já atua, desde 2007 no combate à desnutrição infantil no Estado e agora com a parceria com o Instituto Malwee  atendeu cerca de 200 crianças de 1 a 5 anos no Programa Nutrir. Para conhecer um pouco mais sobre a entidade acesse: http://cren-al.org.br/ 

A iniciativa contou com a distribuição de suplementação alimentar, acompanhamento pediátrico e nutricional constante, mapeamento de acesso aos programas sociais e de transferência de renda das famílias, bem como o acompanhamento e atualização da vacinação das crianças. As famílias participaram de rodas de conversa mediadas por profissionais do CREN/AL durante as quais foram trabalhados os temas relacionados à saúde e alimentação, comensalidade e maternagem, e também receberam pequenos vídeos com material informativo via whatsapp, para orientações periódicas sobre alimentação e saúde.

A nutricionista e responsável pelo projeto no CREN/AL, Ana Paula Grotti Clemente, explica que a decisão por focar o atendimento em crianças de 1 a 5 anos se dá por ser a melhor janela de oportunidades para a implementação de ações contra a má nutrição infantil. “A alimentação correta é um dos aspectos que contribuem para o desenvolvimento físico e mental nos primeiros anos de vida. Crianças estimuladas neste período, têm três vezes mais chances de estudar em uma universidade e obter uma renda 60% superior na fase adulta. Ao investir na primeira infância, estamos garantindo um futuro social para elas, o que também deve retornar para a sociedade”.

Nutrir SP – Educação alimentar e agricultura

Em São Paulo, o Programa Nutrir está realizando, em parceria com o CREN – Centro de Recuperação e Educação Nutricional (CNPJ 71.732.960/0001-94) o projeto “Cultivando Horizontes”. 

O CREN/SP já atua desde 1992 no combate à desnutrição e à má nutrição infantil no Estado de São Paulo, contando com duas unidades de atendimento na cidade de São Paulo, uma no bairro Vila Mariana e outra na Vila Jacuí. Ao todo, o CREN/SP atende em média 2.000 crianças e adolescentes por mês. Para saber mais sobre a entidade acesse: https://www.cren.org.br/     

O Projeto Cultivando horizontes está beneficiando o núcleo familiar de crianças e adolescentes com desvios nutricionais, assistidos em dois ambulatórios próprios e no semi-internato do CREN/SP. Além disso, o projeto firmou uma parceria com cinco produtores agroecológicos da região, que participam ativamente do projeto, com a realização de oficinas voltadas aos beneficiários do projeto, além de fornecer os alimentos que compõem cestas de frutas, legumes e verduras (FLV) entregues às famílias durante os atendimentos e oficinas, incentivando as famílias a experimentar esses alimentos e incluí-los em seu dia-a-dia.  Desta forma, além de apresentar alternativas saudáveis para alimentação e permitir que as crianças e suas famílias experimentem e explorem diferentes formas de consume desses alimentos, o projeto pretende fazer uma conexão direta entre as crianças, as famílias e a produção do alimento agroecológico, encurtando a cadeia de fornecimento e tornando esses alimentos mais acessíveis.

De forma prática, o projeto inclui cinco ações: 

  • Educação alimentar nutricional durante as consultas realizadas no CREN/SP, com a apresentação de frutas, legumes e verduras, formas de preparo; suas origens e incentivo ao consumo. Na ocasião, é entregue uma cesta composta por: uma verdura de consumo cru; uma verdura para consumir refogada; uma verdura para tempero; uma planta alimentícia não convencionais (PANC), 1kg de legume ou raiz e 1kg de fruta;
  • Intervenções na sala de espera das unidades do CREN/SP para envolver a família no processo de cuidado e educação alimentar;
  • Oficinas para melhorar os hábitos alimentares, resgatar a cultura alimentar e promover a alimentação saudável, incentivando a autonomia dos pacientes no preparo das receitas;
  • Discussão e construção de saberes sobre alimentação, fomentando a disseminação de conhecimento e gerando multiplicadores.
  • Oficinas de curta e longa duração com agricultores familiares, para estimular a aproximação do contexto da agricultura e agroecologia. Durante essas oficinas é feita há a possibilidade de manipulação dos alimentos, técnicas agroecológicas e entrega de mudas.

 

  

Resultados do Programa